02 julho 2014

DEFENSORIA E UFPA RETOMAM PESQUISA SOBRE DEFENSORES AMEAÇADOS DE MORTE


A discussão sobre militantes de Direitos Humanos ameaçados de morte no território paraense vem sendo retomada pela Defensoria Pública do Estado e a Universidade Federal do Pará (UFPA). O Defensor Público Marcio Cruz, coordenador do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos (NDDH) da Defensoria, e a professora Paula Arruda, coordenadora do Laboratório de Justiça Global e Educação em Direitos Humanos (LAJUSA), juntamente com as equipes técnicas de ambas as instituições, uniram forças para solucionar o grave problema na região.

Durante reunião realizada na sede do NDDH, a UFPA apresentou projeto de proteção das pessoas ameaçadas, solicitando a parceria da Defensoria na primeira etapa do projeto, que é um diagnóstico desses militantes nas regiões em que ocorre o maior índice de ameaças, além das questões sociais envolvidas, os motivos das ameaças, e outros dados.

Márcio Cruz destacou a importância da parceria com a Universidade Federal do Pará para o mapeamento dessas demandas de denúncias das violações de Direitos Humanos. “A experiência da UFPA com a prática que construímos no programa da defesa dos Direitos Humanos vai garantir que o assunto não perca a visibilidade como vem perdendo”, declarou.

Segundo a professora Paula Arruda, a UFPA somará experiências com a instituição. “Nós vamos fazer uma análise na questão da comunidade envolvida, das áreas que estão no processo de criminalização e intimidação e que afetam os Defensores de Direitos Humanos na Amazônia”, pontuou.

O projeto será apresentado na Organização das Nações Unidas (ONU), precisamente na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), em Washington, com a intenção de que o problema dos militantes do Estado do Pará ameaçados de morte seja divulgado no âmbito internacional.

O pesquisador e mestrando do curso de Psicologia da UFPA, Igor do Carmo, será o encarregado da pesquisa dos documentos do programa. Ele abordará o perfil psicológico dos Defensores de Direitos Humanos ameaçados e outras questões relacionadas ao problema.

Uma das principais tarefas do pesquisador será atualizar a lista com os nomes dos Defensores de Direitos Humanos que estão na lista de ameaçados. A última relação teve atualização processada ainda em 2008, e agora a tarefa do mestrando será a construção da organização desses dados. A primeira etapa deste projeto começará em setembro deste ano.


Felipe Mendonça – Diretor de Comunicação e Marketing

Fonte: Divulgação

0 pareceres:

Postar um comentário