29 março 2017

Homenagem a Edson Luís

Edson Luís de Lima Souto (Belém, 24 de fevereiro de 1950 – Rio de Janeiro, 28 de março de 1968) foi um estudante secundarista brasileiro que, com 18 anos, foi assassinato por militares com um tiro à queima-roupa, de uma arma calibre 45. A tragédia aconteceu no restaurante Calabouço durante uma manifestação estudantil com 300 estudantes contra a má qualidade da comida servida neste local. Não foi a primeira vez que a Polícia Militar havia reprimido a manifestação nesse restaurante, contudo, esse acontecimento foi o ápice, com cinco jovens feridos e dois mortos. O corpo de Édson Luís foi carregado pelos demais manifestantes pelo centro do Rio até as escadarias da Assembleia Legislativa e foi velado na Cinelândia.
O assassinato do secundarista mobilizou protestos no país inteiro. Em São Paulo, com 4 mil estudantes manifestando na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), no Centro Acadêmico XI de Agosto, da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, na Escola Politécnica da USP, e na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-USP).
Na cidade do Rio de Janeiro houve luto no dia do enterro; também, os cinemas de Cinelândia, em forma de protesto, anunciaram os filmes: “A noite dos Generais”, “À queima roupa” e “Coração de luto”. Os cartazes nos protestos mostravam a indignação das pessoas com frases: “Bala mata fome?”, “Os velhos no poder, os jovens no caixão”, “Mataram um estudante. E se fosse seu filho?” e “PM = Pode Matar”. Ademais, houve greve nacional dos estudantes, 3 dias de luto no Rio de Janeiro e suspensão de espetáculos teatrais. Após três meses do assassinato do estudante, ocorreu a Marcha dos 100 mil, de suma importância entre os protestos contra a Ditadura Militar.
No enterro de Edson Luís, a multidão, com mais de 50 mil pessoas, cantou o hino nacional e gritou palavras de ordem contra o regime militar e a violência. Sua missa de sétimo dia aconteceu na manhã de 4 de abril, na Igreja da Candelária e os presentes, ao saírem da igreja, sofreram um ataque da polícia militar com golpes de sabre, resultando em dezenas de feridos.
            Em 2017, a morte de Edson Luís completa 49 anos, representando a resistência estudantil, apesar de todas as adversidades. O Centro Acadêmico de Direito Edson Luís representa e faz jus á memória do jovem injustamente assassinado na luta por educação digna, gratuita e de qualidade. É nosso papel lutar pelos direitos dos estudantes de Direito em prol de formar cidadãos que busquem uma sociedade justa e igualitária. “Edson Luís, presente!”.
Fontes:




0 pareceres:

Postar um comentário