03 maio 2017

SITUAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO BRASIL É TEMA DE SIMULAÇÃO DA ONU NA UFPA

No dia 26 de abril, a Clínica de Direitos Humanos da Amazônia (CIDHA), vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Pará (PPGD/UFPA), em parceria com a organização não governamental Conectas Direitos Humanos, promoveu a Simulação de Revisão do Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU), realizada no Auditório dos Conselhos Superiores da UFPA.
A atividade contou com a participação de 15 estudantes da Faculdade de Direito da UFPA, os quais foram selecionados para representar individualmente o Estado brasileiro, a organização Conectas e outros 13 países, a saber: EUA, Vaticano, China, Argentina, México, Dinamarca, Indonésia, Palestina, França, Espanha, África do Sul, Nigéria e Austrália.
No âmbito da CIDHA, o evento obteve a participação de integrantes do Projeto de Extensão Proteção Internacional dos Direitos Humanos (PIDH), coordenado pela Prof. Dra. Cristina Terezo, dentre eles, os discentes do PPGD/UFPA, Isabela Feijó e Laércio Dias, os quais atuaram como Avaliadores dos participantes, junto com a estudante Ana Caroline Monteiro, responsável pela Organização do evento, na qualidade de voluntária da Conectas, contando com o apoio das também integrantes do Projeto PIDH: Maria Eduarda Fonseca, Raysa Alves e Ana Carolina Cazetta.
Os discentes promoveram uma Simulação de alto nível, contemplando temas relevantes na política externa atual e uma análise crítica da situação dos Direitos Humanos no Brasil, a partir do mecanismo de revisão do país, desenvolvido no âmbito do Conselho de Direitos Humanos da ONU. As discentes Beatriz Caluff, Rafaela Bacelar, Vytória Avelar e Letícia Vieira, receberam Certificados de Menção Honrosa, pelas performances de destaque.
Esta foi a primeira vez que uma Simulação do mecanismo de Revisão Periódica Universal da ONU foi realizada na UFPA, o que demonstra a importância da iniciativa da Conectas e da CIDHA, em promover tal atividade e estimular a participação estudantil na defesa dos Direitos Humanos.













0 pareceres:

Postar um comentário