20 novembro 2017

20 de Novembro - Dia da Consciência Negra

Que mãe gentil é esta que abandona os seus filhos? Somos a maior parte desse povo e deste povo somos os que mais sofremos com a violência, com a miséria, com o descaso. Somos a parcela que o Brasil esconde e finge que não vê.

Que Constituição é essa que diz que o racismo é repudiado, mas o país que ela rege vê dia após dia negros sendo desrespeitados, discriminados, apelidados de adjetivos ruins, de insultos desumanos. 

Que flor amorosa de três raças é essa? Em que negros ganham menos que brancos. Em que o negro não parece ser digno de respeito. Em que o "cativeiro" social é um colosso injusto, em pleno século XXI. Vivemos um verdadeiro apartheid disfarçado. 
Que país é esse da liberdade de culto e de credo que demoniza os cultos africanos? Que chama de macumba, coisa do diabo, despreza a cultura afro-brasileira, tentam apagar a nossa história. 

Parece que a nossa liberdade é só ilusão. Será que foram 300 anos pra nada?

Pois queremos um basta. Queremos evocar Mãe Menininha do Gantois, Tia Ciata, Dandara, Carolina de Jesus, Zezé Motta, negras guerreiras e toda a negritude feminina desse país! Queremos mostrar que Zumbi dos Palmares, Chico Rei, Jamelão, João Cândido e Luís Gama estão vivos na nossa memória, por suas lutas em prol do nosso povo!

Hoje é dia de mamãe Oxum abençoar a todos nós e de Oxalá, com o seu Axé, trazer paz para o seu povo. Nos vestimos com as armas de Ogum Guerreiro e com a força de Osanha para curar nossas feridas rumo a um Brasil de igualdade, em que o nosso lugar é respeitado!

Todo dia é dia de Maracatu, dia de Jongo da Serrinha, dia do nosso Carimbó, do Samba de Raiz.

Descendentes do povo jejê, do povo nagô, iorubá, da negritude dos nossos ancestrais da Guiné e de Angola, avante! Que o Brasil é nossa pátria e nossa terra por direito! 

Não queremos só um dia para lembrarem que estamos aqui, queremos que todos os dias sejam 20 de Novembro e que todo preconceito, toda desigualdade e toda discriminação se destrua.


Centro Acadêmico de Direito Edson Luís.

0 pareceres:

Postar um comentário