25 julho 2018

No dia de hoje é comemorado o dia da Mulher Negra Latina e Caribenha, em homenagem a este dia o CADEL trouxe uma série de mulheres incríveis que conquistaram seu espaço apesar de toda luta.


•TANYA DUARTE: Passou a vida escutando que não era mexicana e sofrendo descriminação por causa de sua cor. Hoje Tanya é professora de medicina Maia, ativista e uma das organizadoras do projeto Afrodescendência México, que tem como objetivo resgatar, preservar e compartilhar história, cultura, arte, medicina, crenças e educação africana e caribenha. 

 • SÔNIA GUIMARÃES: Filha de tapeceiro e comerciante, saiu da sua casa aos 19 anos quando passou a ser a primeira mulher da família a cursar uma faculdade. Formada em Física pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Sônia fez mestrado e doutorado (um deles sendo na Inglaterra) e em 1993 passou a ser a primeira professora negra a dar aula no ITA.


• ANA FABRICIA CÓRDOBA: Conheceu a violência desde criança quando seus pais tiveram que sair da sua cidade natal Tibú e se mudar para Urabá, por causa da guerra entre liberais e conservadores na Colômbia (1948-1960). Depois de ter seu marido assassinado por paramilitares, e dois de seus cinco filhos em 2000. Córdoba, foi uma das fundadoras da orgânica Adelante por un Tijido Humano de Paz (Latepaz) e se juntou à Rota Pacífica das mulheres, em busca por uma saída pacífica para o conflito armado. Em 2011 Córdoba foi ao governo pedir ajuda “Vão me matar e ninguém faz nada.” No mesmo ano ela foi assassinada com um tiro na cabeça enquanto fazia uma viagem de volta à Medellín. 

0 pareceres:

Postar um comentário